ArcelorMittal desenvolve clone de eucalipto para ser usado na fabricação do aço.

por Painel Florestal

A ArcelorMittal Bioenergia, empresa controlada pela ArcelorMittal (maior companhia siderúrgica mundial), está prestes a alcançar uma variedade de eucalipto capaz de ser a primeira opção renovável de carvão para uso na fabricação de aço.

Atualmente, grande parte da produção de aço é dependente do carvão mineral, insumo não renovável do qual o Brasil é grande importador.

O carvão é insumo essencial na produção do aço. No alto-forno, exerce duas funções: eleva a temperatura do forno a 1.500 graus Celsius e desencadeia uma reação química. O carbono existente no carvão mineral ou vegetal se associa ao oxigênio liberado do minério de ferro em altas temperaturas.

A redução, como é chamado esse processo, purifica o ferro. O uso do carvão vegetal no processo reduz o balanço negativo de emissões do setor siderúrgico, diminui a dependência de importações e representa queda no custo da tonelada do insumo.
A tonelada do carvão vegetal é US$ 90 mais barata que a do carvão mineral.

Mas, para ter esses benefícios, o setor tinha de vencer uma limitação técnica. E é isso que a pesquisa realizada pela ArcelorMittal está perto de conseguir.

A novidade está no desenvolvimento de uma madeira muito dura, resistente a ponto de, após ser transformada em carvão, suportar o peso da mistura colocada num alto-forno. Essa coluna de “ingredientes” despejados no alto-forno exerce uma pressão sobre o carvão. Somente o carvão mineral suporta essa pressão.

“O carvão vegetal não suporta esse peso, por isso só é usado para a produção do ferro-gusa, produzido em fornos menores. Se for usado nos grandes altos-fornos, o carvão vegetal é esmagado, o que pode vedar o forno. Isso não pode acontecer”, afirma Wanderley Cunha, gerente de desenvolvimento técnico da companhia.

A nova variedade pode superar essa limitação. O clone de eucalipto obtido a partir do cruzamento de três variedades chega perto da resistência obtida com o carvão mineral. Testes feitos com o carvão dessa árvore mostraram resistência a pressões de até 220 quilos por centímetro quadrado.

O mesmo teste feito com o carvão mineral mostrou resistência de até 250 quilos por centímetro quadrado. “Se obtivermos uma variedade que alcance essa resistência, teremos então um redutor renovável”, diz Cunha. A ArcelorMittal já produz 2,3 milhões de toneladas de carvão vegetal e vai duplicar essa produção.

Transgenia

Selos de manejo florestal vedam o uso de clones transgênicos em áreas certificadas, mas a empresa avalia que não pode ignorar a tecnologia de transferência de genes na busca de variedades adequadas para a siderurgia.

Segundo o gerente de pesquisa da ArcelorMittal , Roosevelt Almado, a siderúrgica estuda a opção de desenvolver pesquisas para obtenção de clones transgênicos. “Isso poderia, por exemplo, reduzir o tempo para obtenção de um desses clones que oferecem madeira mais dura.”

Hoje, todo o desenvolvimento de clones para uso comercial utiliza técnicas clássicas de melhoramento, muito mais lenta para a obtenção de variedades novas.

Posts relacionados

1 Response
  1. emerson lucio pedro

    trabalho com implantação de florestas e a curiosodade é imensa em relação a rendimentos, pois o produtor possui o recurso mas não o conhecimento,quanto na diversidade da aplicação do produto

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

multicloud
GoogleCloud
DataFlow
Google Maps
Google Cloud
Google Maps
Google Maps
Google Cloud
Google Maps
Google Maps
Google Cloud
Google Cloud
Google Cloud
Armazenamento