Cidades brasileiras receberão sistema que prevê desastre natural

0 2

Fonte: Maria Fernanda Ziegler/ Portal iG

Para Luiz Cavalcanti, chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a chuva na região serrana do Rio de Janeiro no mês de janeiro não foi apenas um desastre natural. “Natural é a chuva, já o desastre na serra fluminense eu não sei se é muito natural, não”, disse Cavalcanti, criticando o fato de áreas de risco estarem ocupadas por milhares de casas.

Cavalcanti falou nesta quarta-feira (12) em palestra na 63ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que acontece nesta semana em Goiânia. Na mesma apresentação, estava também Antonio Marcos Mendonça, da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia. Mendonça falou sobre como funcionará o sistema de monitoramento e alerta de desastres naturais que envolverá vários ministérios e deverá ter todas as etapas concluídas em 2014.

Até novembro deste ano, 25 cidades terão mapas de áreas de risco. A ideia é estender para outros mil municípios até 2014. “Para que seja feito o monitoramento adequado das áreas de risco e que sejam usados modelos está sendo proposto o Centro Nacional de Monitoramento de Alerta de Desastres, já em julho, para mitigar os efeitos dos desastres naturais”, disse Mendonça. A intenção é fazer o cruzamento das informações hidrológicas e meteorológicas e formar um mapa da ocorrência de desastres naturais.

O centro será implantado em Cachoeira Paulista, no interior do Estado de São Paulo, e contará com centros regionais. O ministério contratará geógrafos e hidrólogos e preparar cursos de capacitação para a equipe. Após esta etapa, serão implantados os sistemas de alerta. “Precisamos criar a cultura de alerta no Brasil”, disse.

Sistema – Cavalcanti afirmou que para prever catástrofes naturais não basta ter apenas equipamentos meteorológicos avançados. Para ele, falta desenvolver uma linguagem comum para a interpretação de fenômenos do clima e seus impactos sobre as cidades. “No desastre em Petrópolis o Inmet e o Cptec (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos) alertaram 24 horas antes que ia chover muito na região, só que o bombeiro não sabia que aquilo era muito. Temos recursos de previsão mas não conseguimos evitar tragédias”, disse.

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

Same day delivery: o que é e como aplicá-lo no seu e-commerce?
varejo
Valor de frete torna-se diferencial e fator decisivo para que cliente conclua compra
store locator
rastreamento de cargas
aplicativos geolocalização
geolocalização
ship from store
delivery
Store Locator
Pickup in Store Google Maps
Plataforma Google Maps
Google Maps Premier Partner
Como contratar e ter acesso às APIs do Google Maps
Como contratar e ter acesso às APIs do Google Maps