Dados do ICMS Ecológico no Brasil

0 2

No site criado por ONGs que atuam pela conservação ambiental no Brasil, o cidadão pode conferir quais Estados aderem ao ICMS Ecológico, quanto repassam para os seus municípios e algumas ações em que o dinheiro do imposto é investido

fonte: Planeta Sustentável

A movimentação de mercadorias e serviços entre municípios e Estados implica no pagamento do imposto ICMS – Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação. A taxa está inclusa no preço de qualquer produto consumido pela população. De acordo com a Constituição, o dinheiro arrecadado pelo ICMS é dividido na seguinte proporção: 75% para o Estado e 25% aos municípios.

O investimento do dinheiro repassado aos municípios é feito de acordo com critérios definidos pelo próprio Estado, como educação, saúde, patrimônio histórico, entre outros. Desde 1991, o critério ambiental também é considerado. Alguns Estados aderiram ao ICMS Ecológico, ou seja, destinam parte da quantia recebida a questões ambientais, como gestão de resíduos, tratamento de esgoto ou combate a desmatamento.

Dessa forma, o ICMS Ecológico acaba sendo um incentivo para os municípios desenvolverem práticas ambientalmente melhores e que valorizam sua gestão ambiental e desenvolvimento sustentável. Afinal, ganham mais aquelas cidades que preservam e cuidam melhor do seu ambiente.

Desenvolvido primeiro no Paraná, hoje o ICMS Ecológico tem aderência de 14 Estados: Acre, Amapá, Ceará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins. No total, cerca de R$ 600 milhões são repassados para os municípios a cada ano. No site* criado pela TNC – The Nature Conservancy em parceria com a Conservação Internacional e a Fundação SOS Mata Atlântica, agora é possível acompanhar o andamento do imposto verde em todo o território nacional.

O portal apresenta tabelas de valores sobre quanto cada Estado arrecada com o ICMS Ecológico, as ações desenvolvidas nos municípios e, em alguns casos, o seu destino. Por exemplo: o Paraná repassou, no ano passado, mais de R$ 6,5 milhões para as cidades de Antonina e Guaraqueçaba, o que equivale a 5% do ICMS distribuído entre os municípios com unidades de conservação ou áreas de mananciais. Nas cidades mencionadas há programas de manutenção de quatro RPPNs – Reserva Particular do Patrimônio Natural.

Outro exemplo é o que ocorre em São Miguel Arcanjo, no interior de São Paulo. Entre 2006 e 2010 o repasse foi de R$ 2 milhões. Para beneficiar as ações ambientais da cidade, que tem cerca de 20% de seu território ocupado por UC – Unidade de Conservação, o dinheiro é aplicado em ações de educação ambiental no Parque Estadual Carlos Botelho, junto ao governo do estado, e na construção de novos pontos de coleta de lixo e de coleta seletiva na zona rural.

Além do investimento em áreas naturais protegidas, como RPPNs e UCs públicas, ganha força o repasse dos recursos a proprietários de RPPNs e a comunidades tradicionais. A iniciativa, que já ocorre em São Paulo e no Rio de Janeiro, cria parcerias entre gestores municipais e a associação local de proprietários, que aplicam o dinheiro em as ações de manutenção do patrimônio natural de sua reserva.

De acordo com o site, os Estados que mais repassaram ICMS Ecológico até 20102 foram Ceará, com aproximadamente R$ 53 milhões; Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, com cerca de R$ 55 milhões e São Paulo, com um pouco mais de R$ 92 milhões. Acesse para saber como funciona o repasse desse dinheiro que sai do seu bolso!

site: www.icmsecologico.org.br

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

Same day delivery: o que é e como aplicá-lo no seu e-commerce?
varejo
Valor de frete torna-se diferencial e fator decisivo para que cliente conclua compra
store locator
rastreamento de cargas
aplicativos geolocalização
geolocalização
ship from store
delivery
Store Locator
Pickup in Store Google Maps
Plataforma Google Maps
Google Maps Premier Partner
Como contratar e ter acesso às APIs do Google Maps
Como contratar e ter acesso às APIs do Google Maps