EUA levanta moratória às perfurações petrolíferas no Golfo do México.

por Folha.com

O Governo dos EUA anunciou nesta terça-feira (12) levantamento da moratória às perfurações petrolíferas em águas profundas no Golfo do México, menos de um mês após selar o poço que produziu o vazamento de petróleo da BP.

“Decidi que é apropriado levantar a moratória às perfurações petrolíferas no Golfo do México”, disse em entrevista coletiva o secretário do Interior, Ken Salazar, que baseou sua decisão em um relatório do responsável de regular as perfurações, Michael R. Bromwich.

Emitida no final de maio, a moratória só expirava no próximo dia 30 de novembro e foi levantada com mais de um mês de antecedência em meio a intensas pressões da indústria e de protestos pelo dano econômico que representava para a região.

A liberação está sujeita à condição de que as empresas apliquem as novas regras de segurança elaboradas nos últimos meses pelo Governo dos EUA, ressaltou Salazar.

O secretário do Interior explicou que sua decisão de impor a moratória foi subordinada à investigação Bromwich, diretor do Escritório de Regulação e Administração da Energia Marinha (Boem, na sigla em inglês), que consultou especialistas de todo o país e entregou um relatório no dia 1º de outubro.

“Revisei esse relatório muitas vezes e acho que as regulações que recomenda são suficientes para garantir a segurança das perfurações”, avaliou Salazar.

Entre as regras mais rígidas está a necessidade de detalhar minuciosamente os planos de prospecção de cada uma das plataformas, com uma descrição das melhorias empreendidas para prevenir uma explosão e o plano de contingência no caso de acidentes.

Agente independente – As 36 plataformas que interromperam suas atividades devido à moratória e as companhias que queiram iniciar novas explorações também deverão contratar um agente independente para que avalie e descreva o desenho de seu sistema de prevenção de vazamentos, responsável pelo desastre provocado pela BP.

“Alguns dirão que elevamos muito as exigências. Podem querer que o país ignore o que viveu e volte atrás, mas essa não é uma opção”, disse Salazar, que assegurou que a experiência da crise da BP conferiu à região “recursos suficientes para enfrentar inclusive dois vazamentos simultâneos”.

Salazar reconheceu que “sempre haverá riscos” de novos acidentes, mas considerou que o Governo os reduziu “significativamente” e que é necessário recuperar “o petróleo e o gás necessários para nossas casas e carros”.

A grande incógnita que o anúncio deixou é o prazo de tempo no qual as plataformas poderão demonstrar que cumprem com as novas regulações e voltar efetivamente ao trabalho.

Tanto Salazar como Bromwich se recusaram a falar de prazos e destacaram que a escassez de inspetores para revisar os projetos e o demorado processo de apresentação das solicitações atrasarão consideravelmente o reatamento.

“Acho que poderemos ter permissões de perfuração para o final do ano”, disse Bromwich, sem antecipar mais detalhes.

Segundo o relatório oficial, a moratória causou a perda temporária de 8 mil a 12 mil empregos na região.

 

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

5 mitos sobre a estratégia multicloud
Google Cloud
Google Cloud
Google Cloud
multicloud
Cloud Run: desenvolva aplicações em contêiners sem servidor no Google Cloud
Anthos
Google Next
multicloud
GoogleCloud
DataFlow
Google Maps
Google Cloud
Google Maps