Plano Nacional de Eficiência Energética estipula meta de redução de 10% do consumo de energia até 2030.

por Canal Energia

O Plano Nacional de Eficiência Energética entrou em consulta pública nesta sexta-feira, 3 de dezembro, no site do Ministério de Minas e Energia. Segundo as premissas e diretrizes básicas do plano, a meta de redução é de 10% do consumo de energia elétrica ao final do horizonte previsto no Plano Nacional de Energia 2030. Para 2010, a redução prevista é de 2.135 GWh e ao final de 2030, a economia de energia pretendida será de 102.449 GWh – total de toda a conservação de energia do período. A projeção de consumo base em 2030 utilizada no estudo é de 1.025.639 GWh.

O documento também detalha a redução do consumo de energia por setores. A meta de redução do segmento residencial é de 38.185 GWh em 2030. Para os setores comercial e industrial, a meta estipulada é de 16.706 GWh e 39.847 GWh no período, respectivamente. O plano ainda define metas de conservação de energia para o setor público – 7.160 GWh – e para o setor agropecuário, 551 GWh em 2030.

O documento também detalha a proposta de eficiência energética para vários setores: transportes, educação, edificações, prédios públicos, iluminação pública, saneamento e aquecimento solar de água. O texto aborda ainda o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica e o Programa Nacional de Racionalização do Uso dos Derivados do Petróleo e do Gás Natural, além do Programa Brasileiro de Etiquetagem.

Os agentes interessados em mandar contribuições para o aprimoramento do plano, poderão enviar as propostas em um prazo de vinte dias, a partir desta sexta-feira, 3, através do e-mail desenvolvimento.energetico.dde@mme.gov.br ou para o endereço: PNEF – Consulta Pública – SPE/MME – Esplanada dos Ministérios, Bloco U, 5º andar, Cep 70065-900, Brasília-DF. Para ler a íntegra do Plano Nacional de Eficiência Energética – premissas e diretrizes básicas na elaboração do plano, clique aqui.

 

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

5 mitos sobre a estratégia multicloud
Google Cloud
Google Cloud
Google Cloud
multicloud
Cloud Run: desenvolva aplicações em contêiners sem servidor no Google Cloud
Anthos
Google Next
multicloud
GoogleCloud
DataFlow
Google Maps
Google Cloud
Google Maps