Tentativas de explorar biodiversidade no Brasil ainda não deram certo.

por Folha.com

Até hoje, tentativas de explorar os recursos da biodiversidade remunerando o conhecimento de povos indígenas deram com os burros n’água.

O caso mais emblemático no Brasil talvez seja o que envolveu índios craôs, do Tocantins, e a Unifesp.

O grupo da universidade paulista buscava moléculas de interesse médico em ervas usadas pelos índios. A Unifesp chegou a firmar convênio com uma associação da tribo, mas outro grupo de índios, que rivalizava com essa associação, reclamou por se considerar excluído.

Após ameaça de processo, a pesquisa foi interrompida. Para evitar esse tipo de quiprocó, o Protocolo de Nagoya estabelece que todos os grupos detentores de determinado conhecimento tradicional devem ser beneficiados num acordo.

 

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

Cloud Fleet Routing
Dominos
Framework Google Cloud
Product Locator
Bradesco Seguros
delivery
migração
fraude
cartão
Last Mile
Google Cloud
Google
API
Places Autocomplete
Neighborhood Discovery
mariobet - supertotobet -

macbook tamir

- mersin eskort