Sema/BA investe R$ 9 milhões para elaboração do mapeamento de cobertura vegetal

0 2

fonte: Ludmilla Sena – Ascom/Sema

O trabalho será desenvolvido pelo Consórcio Geobahia, liderado pela empresa Geoambiente que assinou contrato com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) nesta sexta-feira (16), durante a reunião do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Cepram).

Na foto, da esquerda para a direita: Izabel Cecarelli/Presidente da Geoambiente, Eugenio Spengler/Secretário do Meio Ambiente e Marcia Cristina Telles de Araújo Guedes/Diretora geral do INEMA.
Na foto, da esquerda para a direita: Izabel Cecarelli/Presidente da Geoambiente, Eugenio Spengler/Secretário do Meio Ambiente e Marcia Cristina Telles de Araújo Guedes/Diretora geral do INEMA.

O contrato que marca o início da elaboração do mapeamento de cobertura vegetal da Bahia. O estudo permitirá uma visão detalhada sobre a cobertura vegetal de todos os biomas baianos, numa escala de 1:50.000, o que significa um marco histórico para a Bahia, uma vez que o mapeamento anterior, elaborado em 1997 dispõe uma escala de 1:100.000.

De acordo com o secretário Estadual do Meio Ambiente, Eugênio Spengler, o investimento foi de R$ 9 milhões, com o prazo para finalização de três anos a partir da data de assinatura do contrato. Spengler disse que este momento representa um avanço para a gestão ambiental. Integrado com as outras importantes ferramentas que vem sendo desenvolvidas, a exemplo do Zoneamento Econômico Ecológico (ZEE), planos de bacia, listas de espécies ameaçadas de extinção e áreas prioritárias para conservação, o mapeamento será um instrumentos prioritário para a tomada de decisão e uma melhor organização do território baiano.

“A partir deste mapeamento teremos um panorama recente da situação da cobertura vegetal de todos os biomas e suas fitofisionomias, além da classificação dos estágios sucessionais da Mata Atlântica. O instrumento de gestão vai ser fundamental para o aprimoramento das análises para aplicação da Lei da Mata Atlântica, e o licenciamento ambiental e florestal”, explicou o secretário.

Para a diretora do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Márcia Telles, além de somar com as outras ferramentas de gestão que o Estado vem trabalhando, o mapeamento vai colaborar com o trabalho das equipes técnicas do Inema no que se refere à alta tecnologia e geoprocessamento. A diretora explicou também, que o estudo será iniciado pelo Cerrado, área de expansão do agronegócio, e, em sequência, o bioma Mata Atlântica, e, finalizando com a Caatinga. “Procuramos seguir uma ordem de áreas que foram identificadas como críticas pelo desmatamento e prioritárias para a conservação”, completou.

Representando o consorcio Geobahia, composto pelas empresas Geoambiente, Geopixel e Geojá e que será responsável pela elaboração do mapeamento, a diretora-presidente da Geoambiente, Izabel Cecarelli, disse que a equipe está empenhada para a execução do trabalho. “O consórcio possui 20 anos de experiência no desenvolvimento de questões geográficas. Daremos o melhor de tecnologia para oferecer um produto consistente ao estado da Bahia”, destacou.

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Posts mais recentes:

Localizador de Produtos
Cloud native
Google Maps
Google Maps
nuvem
Google Maps
Google Cloud
Google Cloud
Google Maps
Google Cloud
Nuvem
Google
Google Cloud
Google lança novos recursos de customização para o Maps no mobile
5 mitos sobre a estratégia multicloud
mariobet - supertotobet -

macbook tamir

- mersin eskort